Mercado imobiliário de bens patrimoniais: um modelo interpretativo a partir do centro histórico do Recife (Brasil)1

A partir do decênio de 1990, quando o Brasil se insere no processo de globalização da economia, os centros históricos das suas cidades –que, nas duas décadas anteriores, haviam sido abandonados pelas atividades de prestígio dos setores do comércio e dos serviços– passam a assistir à volta de investimentos nessas atividades, em partes dos seus territórios. Decerto, tais investimentos vêm tendo implicações no desempenho dos respectivos mercados imobiliários. Daí o objetivo deste ensaio: desenhar –tendo como fundamento as características inerentes a esses mercados e a evidente dependência do seu dinamismo às políticas públicas– um esboço interpretativo do seu funcionamento, investigando-se os condicionantes da oferta e demanda, decorrentes dessas políticas, e as implicações dos ajustes nos preços neles praticados.